A importância das placas de circuito impresso nos componentes eletrônicos.

Ela está presente no seu celular, na televisão, no seu computador, na sua caixinha de som e muitos outros componentes elétricos e eletrônicos que você tem espalhados pela casa. Estamos falando da placa de circuito impresso, aquela plaquinha minúscula que fica dentro dos aparelhos, normalmente verdinha, que tem vários pontos de solda e fios extrafinos ligando um pontinho ao outro.

A montagem de circuitos impressos é um trabalho extremamente delicado, não só ao tamanho do objeto, mas a fragilidade dos fios e pontos de solda exigem um cuidado maior na hora da montagem. Por isso, as empresas montadoras de placas eletrônicas estão entre as mais especializadas do setor, porque precisam de maquinários e equipamentos sofisticados e trabalhadores superqualificados.

Quando surgiram as placas de circuito impresso?

A origem da placa de circuito impresso que conhecemos hoje é bem antiga, data da época da II Guerra Mundial, quando as antigas placas existentes foram aperfeiçoadas com a criação da solda por imersão. Como o nome diz, a placa é mergulhada em produtos químicos e a camada que se forma ajuda na proteção dos frágeis terminais de solda. Isso evita que no processo de soldagem, a solda não invada outro ponto próximo, que danificaria a futura placa de circuito impresso, pois estaria sujeita a curto circuito quando fosse utilizada.

Outra função da camada de proteção verde é tornar a placa de circuito impresso mais resistente aos agentes externos, como poeira e umidade, por exemplo. Ambos podem interferir nas conexões elétricas do circuito e inviabilizar o pleno funcionamento dos componentes elétricos ou eletrônicos.

Na maior parte das vezes, a camada de proteção da placa de circuito de impresso é verde, mas existem outras cores que podem ser empregadas na produção, como o vermelho, azul e até o amarelo. A maioria das empresas